BLOGAGEM COLETIVA: COISAS DO BRASIL

Esta postagem faz parte da blogagem coletiva idealizada pela Andrea, dona do blog Leio o Mundo assim… Ela nos pediu que cada um mostrasse um pouco do Brasil onde vivemos, algo que seja representativo de nossa cidade. O meu pedaço de Brasil é o Rio de Janeiro, cidade onde nasci, cresci e morei grande parte da minha vida. Confesso que demorei a decidir sobre o que falar sobre o Rio de Janeiro. Afinal, apesar de todos os problemas que a mídia propaga e nós habitantes conhecemos, o amor que sinto por esta cidade é grande demais e há tantos recantos e detalhes a destacar … O Rio de Janeiro, além de ser uma cidade que respira história por todos os lados, também é “bonita por natureza”… Decidi então escrever um pouco sobre algumas ruas do Centro do Rio por onde sempre gosto de passar, fazer compras, entrar nos vários sebos que existem por lá ou simplesmente apreciar seus arredores. Um bom dia para caminhar por lá com mais calma é sábado de manhã. Durante a semana, nem sempre posso me dar a este luxo, pois a correria do dia-a-dia não me deixa, mas este é um programa que gosto de fazer sempre que posso! No meio da parafernália de um trânsito quase sempre caótico, o centro do RJ ainda guarda ruelas históricas que para nossa felicidade teimam em guardar vestígios de um tempo que já não existe mais. Um escritor que soube usar muito bem a cidade do Rio de Janeiro como pano de fundo para seus romances e contos foi/é o sempre atual Machado de Assis, também nascido e criado no Rio de Janeiro.
Por isso, nesta postagem, acrescentarei algumas curiosidades sobre as minhas ruas escolhidas e em seguida, vou ‘pincelar’ uma passagem de alguma obra literária do Machado onde ele menciona a rua em destaque. Desta forma, eu espero que enquanto você não vem aqui passear por essas ruas maravilhosas, você poderá imaginá-las através do Rio de Janeiro de Machado de Assis. Inclusive, parece-me que todos ou a grande maioria de seus romances, contos e crônicas já podem ser baixados da internet aqui.

Nosso passeio começa na Rua do Ouvidor: com a vinda da família real em 1808, a Rua do Ouvidor ficou conhecida como a ‘rua da moda’ e se transformou num grande centro do comércio com lojas sofisticadas que atraíam a alta sociedade da época: eram casas de música, confeitarias, cafés, cabeleireiros, jóias, livros entre outras.
A rua do Ouvidor ainda preserva muito de seu charme do passado, porém hoje construções antigas e principamente os belos sobrados do século xix se misturam aos prédios mais modernos de escritórios e bancos. Depois da abertura da Avenida Rio Branco, muito do glamour da época foi perdido, mas como disse, para mim ela ainda guarda um charme especial.
Machado assim incluiu a Rua do Ouvidor em seus “Contos Avulsos”:

“A rua do Ouvidor resume o Rio de Janeiro. A certas horas do dia, pode a fúria celeste destruir a.cidade; se conservar a rua do Ouvidor, conserva Noé, a família e o mais. Uma cidade é um corpo de pedra com um rosto. O rosto da cidade fluminense é esta rua, rosto eloqüente que exprime todos os sentimentos e todas as idéias…”
(….) “A rua do Ouvidor é lindíssima à noite. Estão os rapazes às portas das lojas, vendo passar as moças, e como tudo está iluminado, não imaginas o efeito que faz”.


(in Jornal das Famílias, Rio de Janeiro, 1873, p. 105-116).

Fonte: Contos Avulsos – Machado de Assis – org. de R. Magalhães Júnior – Editora Civilização Brasileira / Cia Brasileira de Livros – 1956 ( extraído de: http://www.biblio.com.br/defaultz.asp?link=http://www.biblio.com.br/conteudo/MachadodeAssis/tempodecrise.htm)
foto acima: google imagens, Rua do Ouvidor, 1808
foto Machado de Assis: Google imagens

A propósito, a Academia Brasileira de Letras (ABL) que foi fundada por Machado criou um site muito interessante sobre ele. Um outro site muito interessante sobre o autor é este aqui.

Bem, continuando nossa viagem pelas ruas históricas do Rio…

Na Rua Gonçalves Dias, existe a tradicional Confeitaria Colombo que vale muito a pena ser visitada! Tombada pelo Patrimônio Histórico e Cultural, esta confeitaria é uma verdadeira viagem no tempo! Fundada em 1894 por imigrantes portugueses, o lugar “é um exemplo típico da arquitetura art nouveau e da belle époque carioca. Tradicional ponto de encontro de artistas, intelectuais e políticos, seus luxuosos salões trazem de volta a mesma atmosfera de quando eram freqüentados pelo próprio Machado de Assis, Olavo Bilac, Rui Barbosa, Chiquinha Gonzaga, Villa Lobos, Virgínia Lane, Getúlio Vargas, entre outros” (extraído do site da Colombo)
Fonte foto: google imagens

Se vocês quiserem ler uma ciranda de poemas criados por diversos poetas sobre a Confeitaria Colombo quando esta completou 100 anos, clique aqui!

Agora, acompanhem Machado em seu trajeto pelo Largo da Carioca, a rua da Carioca e a Gonçalves Dias, um trecho extraído do romance “Esaú e Jacó”:

“Chegaram ao largo da Carioca, apearam-se e despediram-se; ela entrou pela rua Gonçalves Dias, ele enfiou pela Carioca. No meio desta, Aires encontrou um magote de gente parada, logo depois andando em direção ao largo. Aires quis arrepiar caminho, não de medo, mas de horror. Tinha horror à multidão. Viu que a gente era pouca, cinqüenta ou sessenta pessoas, e ouviu que bradava contra a prisão de um homem. Entrou num corredor, à espera que o magote passasse. Dua s praças de polícia traziam o preso pelo braço. De quando em quando, este resistia, e então era preciso arrastá-lo ou forçá-lo por outro método. Tratava-se, ao que parece, do furto de uma carteira.

-Não furtei nada! – bradava o preso detendo o passo. É falso! Larguem-me! sou um cidadão livre!. Protesto! Protesto!
-Siga para a estação!
- Não sigo!
-Não siga! bradava a gente anônima. Não siga! não siga!”

( In: Esaú e Jacó, Um Gatuno)…

Sobre o Largo da Carioca e a rua do mesmo nome:

“A história do Largo da Carioca está intimamente ligada ao Convento de Santo Antonio. O Convento teve sua origem em uma pequena ermida, que ficava às margens da lagoa que foi ocupada, em 1592, pelos freis franciscanos: Frei Antônio dos Mártires e Frei Antônio das Chagas. No entanto, sua construção só foi iniciada em junho de 1608 sob a presidência de Frei Vicente do Salvador e em 1615 foi inaugurada uma parte do Convento e a Igreja de Santo Antonio, onde foi rezada a primeira missa no dia 8 de fevereiro. Para drenar a lagoa, os religiosos franciscanos, abriram uma vala, transformando o banhado na Lagoa de Santo Antonio, o trajeto da vala deu origem a uma nova via chamada Rua da Vala, atual Rua Uruguaiana”. (…) Grandes modificações foram feitas durante a década de 70, quando quase todos os antigos prédios que rodeavam o largo foram demolidos. O subsolo do largo é agora ocupado por uma das maiores estações do metrô da cidade. Todo o trânsito de carros foi suprimido e o largo hoje é reservado para pedestres. O Mosteiro e a Igreja de Santo Antônio têm sido bem conservados ao longo dos séculos, permanecendo no que restou do antigo Morro de Santo Antônio, hoje quase totalmente demolido.
(fonte: http://www.centrodacidade.com.br/acontece/vs_largocarioca.htm)
(fonte foto: google imagens)

Hoje, o Largo da Carioca parece um oásis no meio dos altos edifícios que o cercam.

Gosto muito de visitar o Convento de Santo Antônio. No dia 13 de junho é comemorado o dia de Santo Antônio e há sempre uma grande festa por lá. Em junho deste ano, o Convento vai celebrar 400 anos!!

“Tombado pelo Instituto do Patrimônio Artístico Nacional (Iphan), o conjunto do século XVIII inclui o convento e as igrejas de Santo Antônio e de São Francisco da Penitência – esta última, considerada jóia rara do barroco, tem paredes de cedro recobertas por 400 quilos de entalhes de ouro. Nela estão guardados expressivos exemplares da arte colonial brasileira, como os trabalhos assinados pelos escultores Manuel de Brito e Francisco Xavier de Brito e pelo pintor Caetano da Costa Coelho”
(fonte:http://www.feriasbrasil.com.br/rj/riodejaneiro/atrativosculturais.cfm)

(fonte foto:http://embaixada-portugal-brasil.blogspot.com/2008/04/convento-de-santo-antnio-no-rio-de.html)

Por último, quero mostrar a vocês um pouquinho da Rua da Alfândega. Esta rua faz parte da SAARA. Não, não é um deserto em pleno centro da cidade, pelo contrário!

A Sociedade dos Amigos e das Adjacências da Rua da Alfândega, SAARA, é uma área de comércio popular a céu aberto, localizada no centro da cidade do Rio de Janeiro. Composta por 1200 estabelecimentos comerciais, distribuídos em suas 11 ruas, abrange inúmeros ramos de atividade: confecções, cama, mesa e banho, brinquedos, ferragens, jóias, bijuterias etc… Por se tratar de um centro comercial popular e por contar com um público médio de 70 mil pessoas por dia, motivo de orgulho dos comerciantes, a SAARA comercializa produtos de qualidade com prédios extremamente convidativos, trabalhando com vendas por atacado e varejo. A região onde é localizada a SAARA, mais precisamente a rua da Alfândega e adjacências, foi a área de escoamento dos navios chegados ao porto e onde se realizava a alfândega, vistoria e conferência das mercadorias. Daí o nome rua da Alfândega, recebido em 1716 após várias outras denominações. Como era bem próximo ao porto, este local também serviu como abrigo aos inúmeros imigrantes sírios, libaneses, judeus, gregos, turcos, espanhóis, portugueses e argentinos, que chegaram ao Brasil no final do século XIX e início do século XX. Alguns deles, fugidos da primeira guerra mundial, descobriram no Brasil um país de paz, com perspectivas melhores para o futuro. Começaram a trabalhar para sustentar suas famílias estabelecendo em lojas que funcionavam no andar térreo de sobrados, onde a parte superior era utilizada como residência. O comércio nesta região funcionava muito antes da fundação da Sociedade, que teve como principal objetivo, aumentar a voz ativa dos comerciantes locais junto ao poder público. Este fato ocorreu no então governo de Carlos Lacerda, que no intuito de remodelar o centro, construiria uma “Via Diagonal” que ligaria a Central do Brasil à Lapa, desabrigando todos os moradores daquela região. A necessidade de protestar contra a reforma, fez com que os comerciantes se unissem na formação de uma sociedade, que reunindo mais força, pudesse ser melhor ouvida pelas autoridades e por sugestão do próprio governador, foi fundada a SAARA. Os entendimentos da Sociedade com o governo e o sentido da preservação da arquitetura local, acabaram convencendo as autoridades e o projeto da “Via Diagonal”, parte do Plano Agache, foi abandonado. Encontramos ainda hoje na Saara, a mistura étnica dos primeiros anos de formação desta comunidade, acrescida, mais recentemente, de imigrantes chineses, coreanos e japoneses, que convivem harmoniosamente, respeitando religiõe e crenças, sendo carinhosamente nominada como a pequena ONU brasileira. Estas são algumas de várias histórias e curiosidades sobre a SAARA, que concedem à ela um ar pitoresco e a transformam em, mais que um centro de comércio, numa sociedade que contribui para a história do nosso país. (fonte: http://www.saara-rj.com.br/historia.htm)


( fonte foto antiga: Rua da Alfândega, Malta, 1928, Google imagens)

(fonte foto colorida:http://sampavelox.blogspot.com/2007_11_01_archive.html)

O trecho seguinte foi extraído da crônica machadiana “A Semana”, de 1892:

(…) “Ontem querendo ir pela Rua da Candelária, entre as da Alfândega e Sabão (velho estilo), não me foi possível passar, tal era a multidão de gente. Cuidei que havia briga, e eu gosto de ver brigas; mas não era. A massa de gente tomava a rua, de uma banda a outra, mas não se mexia; não tinha a ondulação natural dos cachações. Procissão não era; não havia tochas acessas nem sobrepelizes. Sujeito que mostrasse artes de macaco ou vendesse drogas, ao ar livre, com discursos, também não.

Estava neste ponto, quando vi subir a Rua da Alfândega um digno ancião, a quem expus as minhas dúvidas.

— Não é nada disso, respondeu-me cortesmente. Não há aqui procissão nem macaco. Briga, no sentido de murros trocados, também não há, — pelo menos, que me conste. Quanto à suposição de estar aí alguma pessoa apregoando medalhinhas e vidrinhos, como os bufarinheiros da Rua do Ouvidor, esquina da do Carmo ou da Primeiro de Março, menos ainda.

— Já sei, é uma seita religiosa que se reúne aqui para meditar sobre as vaidades do mundo, — um troço de budistas…

— Não, não.

— Adivinhei: é um meeting.

Onde está o orador?

— Esperam o orador.

Que orador? Que meeting? Ouça calado. O senhor parece ter o mau costume de vir apanhar as palavras dentro da boca dos outros. Sossegue e escute.

— Sou todo ouvidos. (…)



A segunda foto acima ilustra bem o comércio popular da Rua da Alfândega e adjacências nos dias de hoje. Em épocas de festas ( Natal, Carnaval, etc.), este local vira um verdadeiro formigueiro humano. Imagino como Machado não ia ficar surpreso ao ver como a Alfândega mudou, sempre abarrotada de gente e muitas lojas.
O roteirista David França Mendes em seu blog , destaca claramente o jeito de ser da Saara:

“É o Brasil de Machado de Assis que se esconde por detrás das bancadas de jeans e de brinquedos eletrônicos. A rua e suas imediações há muitos anos são o reduto onde a classe média carioca, em números que próximo ao Natal podem chegar a um milhão de pessoas por dia, compra fantasias de carnaval, decoração de festa de aniversário, tecidos, jóias falsas e verdadeiras, brinquedos baratos, enfim, um grande mercado tremendamente popular”.

Espero que vocês tenham gostado de conhecer um pouquinho do Centro do Rio. Eu também vou adorar conhecer um pouquinho de seus recantos que com certeza estarão nesta lista aqui. Boa blogagem para todos nós! Parabéns, Andréa, por esta iniciativa!

Bookmark and Share
Related Posts with Thumbnails

Esse texto foi postado em sexta-feira, 16 de maio de 2008 às 14:50 nas categorias Blogagem Coletiva, Carioca, Coisas do Brasil, Literatura, Machado de Assis, Rio de Janeiro, Ruas do Rio. Você pode seguir as respostas pelo RSS 2.0. Você pode deixar um comentário, ou trackback do teu próprio site.

16 Comentários para “BLOGAGEM COLETIVA: COISAS DO BRASIL”

  1. Andréa Motta escreveu:

    Sônia , muito obrigada por este texto lindíssimo. Eu sempre digo aos neus alunos que Machado é uam fonte inesgotável para quem deseja saber do Rio antigo.Obrigada!

  2. evipensieri escreveu:

    Oi Sonia.

    Adorei o seu post sobre o centro do Rio de Janeiro que não conheço. Adoro os centros históricos das cidades. Eles são mais originais e charmosos. Gosto da idéia de imaginar como era a vida antigamente.

    A região central daqui de São Paulo só passei a conhecer um pouco melhor de uns 6 anos para cá quando passei a trabalhar lá. Antes ficava muito longe da minha casa e eu também ouvia tanta história que tinha medo. Hoje em dia posso dizer que adoro aquele lugar e que já me deu até vontade de morar naquela região.

    Parabéns pelo seu post !!!

    Bjs.
    Elvira

  3. NANDO DAMÁZIO escreveu:

    Eu fiz um comentário tão elaborado pra este post, escrevi um tantão e na hora de enviar acho que deu erro .. Mas enfim, pra não escrever tudo de novo, resumo que adorei o post com esses lugares que conheço tanto vistos como eram antigamente ..
    Abraço !!

  4. GR escreveu:

    Pelo q vi em outros post sobre o Rio, algumas pessoas fizeram um roteiro turístico da cidade. É legal até, mas pra quem não conhece o RJ, acaba se tornando impessoal.
    Gosto mais do seu estilo detalhando lugares q vc conhece e gosta de frequentar – como os sebos do Centro, p. exemplo
    Ou explicando a paixão de autores (nada desconhecidos^^) pela cidade.
    Enfim, este é um belo post!
    Parabéns!

    http://d–mentes.blogspot.com/

  5. Georgia escreveu:

    Sonia, fazer parte dessa blogagem me deixou cheia de saudades do RJ antigo. Essas ruas que vc colocou aqui, eu as conheco todas. Adoro a Confeitaria Colombo e o Christian também. Estivemos lá em 2006 qdo fomos ao Brasil. A rua da Alfandega para fazer compras, é tudo de bom e Machado de Assis, é Rio de Janeiro mesmo.

    Grande post.

    Beijao e bom fim desemana

  6. Luiz escreveu:

    Oi Sonia, interessantissima essa sua abordagem, essa visão e esse tour pelo centro do Rio. Complementado por um dos mais brilhantes cronistas do Brasil, que foi Machado. Parabéns mesmo pela criatividade !

    Fico feliz que tenha gostado do Imperfeito. Portas abertas !

    beijo

  7. Ane escreveu:

    Oi Sônia!Eu gosto muito de visitar e saber mais sôbre a história de cada lugar.Toda cidade precisa preservar o antigo,afinal é sua história preservada.Belo post!

  8. Neusa escreveu:

    oi Sônia, vim agradecer a visita e tb ler o teu post. Magnifico, adorei. Quando quiser conhecer Porto Velho, será recebida de braços abertos. beijos e bom final de semana.

  9. mundo a fora escreveu:

    brigada pela visita. só tenho uma coisa a falar de sua cidade, q tive o prazer de passar os melhores 15 dias de minha vida.
    ADORO!

    quando falam do rio, meus olhos brilham, e apesar de tudo. eu moraria ai sim. sou apaixonadamente apaixonada por essa cidade. morro de saudade. faz 5 anos q fui. e vivo contando os dias para voltar. se Deus quiser até o final do ano chego por ai. volte sempre q poder ao MUNDO A FORA.

    bjoka da dedéia

    >.<

  10. Jeanne escreveu:

    Sonia, gostei do toque pessoal que deste ao teu post, conseguindo assim passar a emoção e o amor que tens pela tua cidade.
    O Rio é lindo mesmo, e merece ser homenageado pelo que tem de bom.
    Beijos

  11. Ronald escreveu:

    Simplesmente magnifico sua abordagem, principalmente para quem não conhece o Rio…

    Putz, fiquei sabendo da coletiva da Luma agora pelo seu blog, vou tentar postar algo…

  12. Espaço Mensaleiro escreveu:

    Um trabalho lindo!
    PARABÉNS!
    Eliana Alves

  13. Karine Leão escreveu:

    Sônia,

    Vim lhe agradecer pela visita ao Ponto. Muito obrigada e volte sempre que quiser, será muito bem-vinda!!!

    Aproveitei para me encantar ainda mais com uma cidade que simplesmente eu amo de PAIXÃO: RIO DE JANEIRO!
    Conheço os problemas daí, mas sinto uma paz tão grande quando estou aí que sempre me emociono.

    Adoro tudo… mas particularmente Copacabana, onde sempre fico na casa de amigos queridos!

    Através do seu post pude conhecer mais essa terra que tanto amo!

    Um grande e Karinhoso beijo!

  14. Suelly Marquêz escreveu:

    Amiga, cada vez admiro mais o ser humano e suas peculiaridades,
    Cada um tem seu jeito da falar escrever e mostrar e senti atraves das suas palavras um outro RIO DE JANEIRO, que continua LINDO, estou sempre por aí e hoje mesmo volto pra terrinha Uberlandia mg, mas não sem antes passar na COLOMBO, E FICAR LÁ PELO MENOS UMA HORA, SABOREANDOAQUELAS DELICIAS DA MINHA INFANCIA, DOCE
    BEIJOS
    apareça aqui em minas, vem comer um pao de queijo quentinho com café!
    convite feito,
    beijos
    suellymarquêz das geraes

  15. Alê escreveu:

    Oi Sonia

    Desculpe por vir apenas hoje visitar seu blog.

    Adorei passear pelas ruas do centro do Rio.

    Eu conheço o Rio de Janeiro, mas eu passei aí poucos dias, então, conheço menos do que gostaria.

    Eu sonho em conhecer a Confeitaria Colombo e o Saara.

    Agora o que mais me tocou foi a foto do Convento.

    Todo dia 13 de junho minha avó ia na igreja buscar o pão de Santo Anotnio e ela colocava um pedaço do pão na lata de mantimentos para que nunca nos faltasse comida.

    Eu ando com uma imagem de Santo Antonio em miniatura na minha bolsa.

    Beijos

    Alê

  16. de_angel94 escreveu:

    oiii sonia…..

    passei pelo seu blog….

    para fazer uma pesquisa escolar

    mas… nao foi bem isso que eu encontrei na verdade num tinha nadaa a ver minha pesquisa e sobre/ seitas borboletta azul

    max fora isso eu adorrei seu blog parabens bejaumm

Deixe um comentário



XHTML: Você pode usar esses códigos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Pode demorar um pouco para mostrar o comentário. Não será preciso postar de novo.