ENEM 2007 – "Um país se faz com homens e livros" – Monteiro Lobato


O resultado do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) saiu ontem. Com isso, podemos ter uma visão de como anda a educação no Brasil. No Rio de Janeiro, a melhor escola é só para meninos, o Colégio São Bento, inclusive esta foi a escola com a maior nota nacional. Entre as 20 melhores no RJ, há 3 escolas federais e uma estadual ligada a uma universidade. O restante é particular.
Eu me preocupo com este resultado, pois vejo que o hiato entre as escolas particulares e públicas está aumentando cada vez mais.
E eu acredito que é somente através da educação que esse país terá jeito. Mas não dá para termos métodos paliativos. Há de se ter educação de qualidade desde o começo da vida escolar da criança: uma boa escola precisa ter bons professores, com oportunidade para reciclagens contínuas, com remunerações decentes, um currículo diversificado, uma ótima parceria entre a escola e os responsáveis dos alunos, assim como a comunidade próxima a ela. Estas escolas públicas que tiveram uma ótima qualificação possuem tudo isso: um quadro de professores que têm mestrado, doutorado, pós-doutorado, elas possuem um currículo diversificado, uma carga horária maior do que a média. Tudo isso só tem a destacá-las das demais.
Eu sinceramente sonho em um dia ver todas as nossas escolas com bons resultados no ENEM ou quaisquer tipos de avaliações. Eu já ia ficar feliz se a maioria apresentasse média acima de 70 pontos. Gostaria de entender o porquê dos governos deste país não reservarem maiores investimentos para educação. Lembro-me do Cristóvão Buarque em sua campanha à presidência quando falava que o Brasil precisa passar por uma ‘revolução doce’, a qual ele explicava que é somente através da educação que o Brasil poderá alcançar o verdadeiro desenvolvimento humano.
Não sou política, não sou economista, mas sempre vejo com muita surpresa os noticiários falando dos progressos do Brasil, dos recordes na economia, etc. etc… bla bla bla.
Para mim, se a educação e a saúde ( o outro pilar tão importante numa sociedade) não vão bem, ah, meus amigos, é por que a situação geral está ainda muito crítica e precisa ser muito melhorada.

Como foi a avaliação no estado onde vocês vivem?

Tenham todos um ótimo fim-de-semana!

03/04/2008 – 21h03 -

Enem mostra que aumenta a distância entre as escolas públicas e particulares

Entre as 20 melhores escolas do Brasil apenas cinco são públicas.
O pior desempenho é das escolas públicas do Amazonas.

O Ministério da Educação (MEC) divulgou nesta quinta-feira (3) os desempenhos de quase 23 mil escolas no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). Os resultados revelaram que a distância entre a rede pública e a privada aumentou no Brasil.

Entre as 20 melhores escolas do país, segundo o critério da média objetiva, apenas cinco são públicas. Todas federais, e na maioria das vezes, ligadas a alguma universidade. As escolas técnicas também tiveram um bom desempenho. Se for considerado o critério que engloba as médias da prova objetiva e da redação, apenas duas, entre as top 20, são públicas.

Só depois aparecem na lista do MEC as outras escolas de ensino médio, como o centro de ensino médio Tiradentes, em Porto Alegre, com 78,42 pontos. Para o diretor do colégio, o segredo está em sala de aula.

“Aquilo que o professor nos solicita, nos pede para utilizar em sala ou aperfeiçoar o trabalho dentro de sala a gente corre atrás, procura parcerias pra disponibilizar pro professor”, explica o diretor da escola, tenente coronel Alberto Isaias de Brito.

No geral, as escolas públicas de Santa Catarina tiveram as melhores notas: 49,72 pontos. E as com pior desempenho são as do Amazonas: 37,68 pontos.

“Eu acho que é um alerta para nós mesmos, que a gente comece a melhorar para trabalhar melhor, e venha a colocar uma posição mais em cima no estado do Amazonas”, diz o professor Pedro Campelo.


Pública x Privada

A diferença entre escolas públicas e privadas sempre fica evidente nesse tipo de exame. Mas agora a distância entre elas ficou ainda maior. É como uma corrida em que as escolas públicas estão cada vez mais longe de alcançar as escolas privadas. Apenas em cinco estados brasileiros a situação não piorou de 2006 para 2007.

“De fato o ensino médio é um problema sério que nós temos que enfrentar. Nós temos trabalhado com isso até no PDE (Plano de Desenvolvimento da Educação), diagnosticando as piores escolas, os piores municípios e dando assistência para esses municípios de forma a que eles venham melhorar o seu desempenho no futuro”, diz Reinaldo Fernandes, presidente do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira, órgão ligado ao MEC).

Para Márcio Costa, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o problema não está apenas no ensino médio. “O resultado do Enem é um resultado de vários anos de escolarização e não apenas o resultado do ensino médio, portanto, o que está em julgamento alí é o ápice de um processo muito longo, de dez e mais anos de escola até”, explica.

fonte: http://g1.globo.com/Noticias/

Bookmark and Share
Related Posts with Thumbnails

Esse texto foi postado em sexta-feira, 4 de abril de 2008 às 11:25 nas categorias ENEM, Educação, Ensino Médio. Você pode seguir as respostas pelo RSS 2.0. Você pode deixar um comentário, ou trackback do teu próprio site.

5 Comentários para “ENEM 2007 – "Um país se faz com homens e livros" – Monteiro Lobato”

  1. vivendo escreveu:

    Sonia,
    seus textos sempre maravilhosos…Quanto ao ENEM, ele reflete como já foi dito, não só o ensino médio, mas o ensino fundamental também…é um somatório da vida escolar do aluno. Se o início foi ruim, e nada foi feito,chega no ensino médio com todas as deficiências acumuladas…
    Um beijo, Vivi Amorim.

  2. Grace Olsson escreveu:

    Sônia, seu psot foi bastante esclarecedor.
    Esse país enquanto nao inveSTIR NA EDUCAÇÃO DE BASE , como sempre falou o Buarque, vasi continuar navegando contra a maré.
    Quando eu imagino base, eu penso na fase inciial em diante, antes do jovem se contaminar. Por que quando chega no ensino médio, ele não teem base alguma e o barco individual – que forma o conjunto- naufraga.
    Beijos e dias felizes
    http://www.eueorenascerdascinzas.blogspot.com/

  3. Georgia escreveu:

    Ah, Sonia que post bem chegado exatamente quando nós estamos nesse movimento de blogagem coletiva contra o analfabetismo.

    Eu fiz há 28 anos atrás meu estágio no Colégio Sao Bento. Meu professor de sociologia era professor lá e das 15 normalistas que éramos somente eu consegui passar na infinidade de perguntas naquela época imposta pelo colégio para se estagiar lá. Se bem me lembro foi um questionário com 50 perguntas. Vc imagina que se para estagiar lá vc é submetida a um teste destes, imagina para se lecionar ali. Nao me assusto com este resultado em relacao a este colégio.

    Grande beijo

  4. Meire escreveu:

    Sonia,
    eu estudei em escola do estado, e hoje mantenho uma comunidade com ex alunos daquela epoca, a maioria tiveram sucesso na vida…hoje, se voce falar com os alunos atuais vc tem arrepios…nao da pra entender en aceitar.
    Bjs

  5. Andréa Motta escreveu:

    Concordo com o professor Márcio Costa quando este diz que o problema da educação não é o Ensino Médio. Sou professora e observo que as deficiências apresentadas pelos alunos do Ensino Médio são resultado de anos de ensino ineficaz.

Deixe um comentário



XHTML: Você pode usar esses códigos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Pode demorar um pouco para mostrar o comentário. Não será preciso postar de novo.